segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Coluna Rede Literária, edição # 35, de 11.02.13


PRÓLOGO
Olá! Chegamos na segunda semana sendo publicados às segundas. Fora isso de novo, continuamos tentando trazer-lhes informações interessantes sobre o mundo da literatura, livro e leitura. Dê seu retorno, seja criticando, elogiando ou mandando informações nos endereços abaixo. Beijos gerais.

Edgar Borges
culturaderoraima@gmail.com
@borgesedgar

VISUAL



Poema visual de Geraldo Trombin

CONCURSOS LITERÁRIOS

XII Prêmio Literário Livraria Asabeça
Informações:
a) Concurso de Livros Inéditos (Poesias)
b) Apenas para autores sem qualquer livro publicado
c) Inscrições até 31.08.2013
d) Premiação:publicação do livro pela Scortecci Editora (150 exemplares, sendo 50 para o autor)
e) Edital completo: http://migre.me/dawJ0

SARAU DoQUINTAL


O Coletivo Arteliteratura Caimbé e o Estúdio Parixara realizam na próxima sexta (15) mais uma edição do Sarau DoQuintal. Desta vez, a poeta convidada é a rondoniense Gabi Amadio, que apresentará, entre outras obras, os poemas de seu primeiro CD. O sarau começará às 20h, no espaço cultural DoQuintal, localizado na avenida Av. Presidente Castelo Branco, 2.266, São Vicente. Entrada gratuita.


LEITURAS

Ilustração de Iker Ayestarán. Muito mais em www.ikerayestaran.com.



BANCA DO SARAU


O Sarau DoQuintal também é uma oportunidade de adquirir livros produzidos por autores locais, fortalecendo a economia criativa do setor. São cerca de 10 títulos de vários
autores disponíveis na banca literária para compra em cada evento.Chegue lá. Mais infos em www.caimbe.blogspot.com.br.

EMPREENDEDORISMO
A Biblioteca Interativa Sebrae (BIS) disponibiliza para download e leitura mais de cinco mil documentos digitais sobre empreendedorismo. Também é possível o compartilhamento de conteúdos sobre pequenos negócios brasileiros. Acesse www.sebrae.com.br/bis.

VEREADORES
Para saber a quem se dirigir na hora de cobrar políticas culturais em Boa Vista: a Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude da Câmara é formada pelos vereadores
Masamy Eda, Sandro Baré e Sandro Fofoquinha.


DIAS DE CHUVA

Outra ilustração Iker Ayestarán



MANUSCRITOS

Estão disponíveis para consulta na internet 256 manuscritos da Biblioteca do Vaticano, criada por volta do ano 1450 pelo papa Nicolás V. A intenção é ofertar acesso a mais de 80 mil documentos. Por serem muito valiosos, até agora os documentos só podiam ser consultados por 250 especialistas. Veja aqui: www.vaticanlibrary.va.

CORTE O CIGARRO



Poema visual de Jacira Fagundes. Para ver mais, acesse www.artistasgauchos.com.br/jacira/


CRÔNICA

Do amor ao acaso ou de um caso de amor?

por Ana Fabyely Kams

Naquele dia ele acordou e procurou as malas. Não sabia porquê. Na verdade, estava em busca das chaves do carro. De alguma maneira, achou que poderiam estar em algum bolso dentro da mala que na noite anterior deixou entreaberta meio caída no chão. É porque assim que chegou não pensou em guardá-las no seu devido lugar, estava interessado em abraçar sua esposa com a mais profunda afeição que pudesse demonstrar, e beijá-la como nunca antes havia feito.

Um detalhe que esqueci de citar é que o homem trabalhava fora de sua cidade, por isso passava longos dias fora de casa, buscando uma forma que trouxesse melhorias para sua vida conjugal, digo, financeira. A mulher não era daquelas que sofria terminantemente cada segundo pela falta do calor do marido, na verdade, tentava manter o rosto calmo e tranquilo todas as vezes que vizinhos lhe perguntavam sobre a volta do homem. Mas sempre que o via sentia que o queria mais perto, um pouco mais que da outra vez.

Eram apaixonados, disso não restava dúvidas.

Acontece que naquela manhã, ao acordar, ele se preocupou em encontrar as chaves do carro pois estava atrasado, tinha que retomar a rotina do trabalho, e não as achava em lugar algum. Foi então que notou a falta da mulher na casa, ia pedir-lhe que o ajudasse com as chaves, mas quando foi até a porta da entrada, olhou para fora e percebeu que o carro havia sumido. Virou-se para o sofá e ao lado, na mesinha havia um bilhete que dizia: "Eu te amei, mas não me espere. Use seu tempo para fazer algo produtivo a si e não se permita ficar alheio a ninguém. PS: Por favor, leve este bilhete à vizinha do 34, ela merece saber quais seriam as últimas palavras do marido."

Ele olhou desacreditado para aquele papel e não conseguia saber o que sentir no momento. Correu até o apartamento 34 e viu uma mulher sentada tomando uma caneca de café de frente para a janela; dava para sentir o aroma da porta em que estava. Pensou em mostrar o bilhete, mas viu que ela era bonita demais para sofrer um impacto desses logo pela manhã. Ela estava levemente desarrumada e com um estranho ar de felicidade ao se libertar de algo que a aprisionava. Perguntou se tinha um pouco de pó de café para emprestar e como viu que ela lhe foi solícita, sentou e conversou. Enquanto olhava para ela, pensou consigo: Se um novo amor nascer desde momento, tomarei mais cuidado com o tempo que me dedico ao trabalho, quem mora próximo a minha casa e também onde deixo as chaves do carro.